São Thomé das Letras, MG: O que fazer, onde ficar e como chegar

Rica em natureza, lagoas e cachoeiras, a cidade de São Thomé das Letras passou a ficar bem conhecida entre os amantes de ecoturismo. Não só pela beleza natural, mas por sua personalidade única.

São Thomé é considerada uma cidade mística, rica em histórias e lendas que, ao passar dos anos, conquistaram a curiosidade dos brasileiros.

Localizada ao sul de Minas Gerais, a pequena cidade mineira possui um ar rústico e oferece muitos passeios incríveis para quem deseja passar o final de semana entrando em contato com a natureza.

Salve esta foto no Pinterest!

Quando ir para São Thomé das Letras?

Na verdade, qualquer época é boa para visitar São Thomé das Letras. Só é preciso se atentar à alguns detalhes:

Se você quer ficar longe do tumulto, prefira evitar feriados.

Por se tratar de uma cidade serrana, é importante se preparar para invernos mais rigorosos e noites mais frias. Durante o verão, as chuvas podem aparecer.

A água das cachoeiras é (beeem) gelada durante o ano todo. Durante os climas mais quentes, esse tipo de passeio pode ficar mais interessante.

O que fazer em São Thomé das Letras

  • Cachoeiras
  • Casa do Mirante
  • Ladeira do Amendoim
  • Grutas
  • Centro da Cidade
  • BÔNUS

Cachoeiras em São Thomé das Letras

As cachoeiras de São Thomé das Letras estão no topo da lista de passeios dos viajantes. Elas são lindas – cada uma com uma beleza única! E além disso, muitas delas ficam próximas ao centro.

As trilhas também costumam ser rápidas e de fácil acesso.

O Vale das Borboletas é, com certeza, uma das cachoeiras mais lindas de São Thomé. E ela fica localizada a apenas 3 km do centro.

A mais ou menos 10 km do centro estão as cachoeiras do Flávio, Véu da Noiva e Eubiose.

Cachoeira Véu da Noiva

Entre os passeios mais requisitados da cidade está a cachoeira Antares – a mais alta de São Thomé das Letras.

A altura dela, inclusive, incentivou os visitantes à prática de rapel.

Cachoeira Antares

Essas são as cachoeiras mais conhecidas. Mas existem outras opções distantes do centro, que também valem a vista, como a Cachoeira da Lua e a Shangrilá – a mais ou menos 17 km do centro.

Se você não puder ou não quiser se locomover de carro pelas estrada de terra, contrate alguma agência local.

A Pororoca Tur, por exemplo, realiza os passeios através de um ônibus coletivo próprio para se locomover nas estradas da cidade. Não espere nada luxuoso, com bancos macios nem ar condicionado! Lembre-se de que essa é uma aventura bem roots.

Casa do Mirante

Impossível não lembrar da famosa Casa do Mirante quando ouvimos falar em São Thomé da Letras.

A construção fica localizada no topo do morro da cidade, dentro do Parque Municipal Antônio Rosa. Se você quer relaxar e conhecer melhor a energia mística da cidade, não deixe de visitar essa atração!

Dica: Visite o Mirante de São Thomé no período da manhã. Durante a tarde e a hora do pôr do sol costumam lotar.

Ladeira do Amendoim

Esse não é um passeio essencial, mas é curioso e divertido. A Ladeira do Amendoim é conhecida por carregar uma energia magnética misteriosa, capaz de fazer carros que estão em ponto morto “subirem” a ladeira.

Apesar de ser apenas uma ilusão de ótica, esse atrativo faz parte da aventura pelas lendas de São Thomé das Letras.

Grutas

Se você tiver tempo e quiser aproveitar bem todo o ecoturismo de São Thomé das Letras, pode gostar de conhecer as grutas da cidade.

A Gruta de São Thomé, por exemplo, fica bem próxima do centro – a apenas 800 metros de distância.

A Gruta do Carimbado fica localizada a 6 km do centro, enquanto a Gruta do Sobradinho – uma das mais requisitadas – está a 15 km de distância.

Centro de São Thomé das Letras

É sempre bom conhecer o centro das cidades que visitamos, né? Principalmente aqueles que dispõe de lojinhas de souvenirs, restaurantes e monumentos históricos.

O centro de São Thomé é bem rústico – rodeado por pedras, com aquele ar de cidade de interior.

Entre os principais atrativos do centro estão as igrejas da Pedra e a Paróquia de São Thomé.

Aproveite para experimentar a tradicional comida mineira no almoço e a Pizza na Pedra no jantar – um prato bastante consumido na região.

BÔNUS – Poço das Esmeraldas

O Poço das Esmeraldas (também conhecido como Poço Verde) fica localizado a 18 km do centro de São Thomé das Letras. Sua cor de tom esverdeado/azulado é o que mais chama a atenção de quem quer contemplar a natureza e tirar boas fotos.

Por causa da distância, não é um passeio tão frequentado pelos turistas. Eu mesma ainda não conheci, mas pelas fotos, parece ser um lugar incrível!

Onde ficar em São Thomé das Letras

Não é muito difícil decidir onde ficar em São Thomé das Letras.

Próximo ao centro, espere encontrar hospedagens com preços mais baixos, como pousadas, albergues e campings.

Já mais distante do centro, você encontrará hospedagens com preços mais altos, como a Fazenda Pousada Cachoeira do Flávio (R$390 a diária/casal) e o Bosque dos Beija-Flores Pousada e Spa (R$640).

Créditos: Bosque dos Beija-Flores Pousada e Spa

Levando em consideração a minha experiência, se hospedar no centrinho da cidade é melhor opção se você quer ter fácil acesso aos restaurantes, lojas e principais pontos turísticos.

Escadaria de acesso ao Parque Antônio Rosa

Confira abaixo algumas opções de pousadas próximas ao centro (preços da diária por quarto/casal):

Hospedagens no centro de São Thomé das Letras

A cidade também conta com várias opções de campings, com uma média de R$50 a diária.

Como chegar em São Thomé das Letras

Avião

É preciso pegar um vôo desde Belo Horizonte (MG) ou de Campinas (SP) até Varginha, cidade com o aeroporto mais próximo de São Thomé das Letras.

Mas para quem vai de São Paulo, compensa mais pegar a estrada.

Carro

São Thomé das Letras está localizada a 349,6 km de distância de São Paulo – mais ou menos 4 horas de viagem. O trajeto passa pela BR 381 sentido Belo Horizonte, seguindo para a cidade de Três Corações e Bento de Abade.

Ônibus

Para chegar em São Thomé das Letras saindo de São Paulo, é preciso pegar um ônibus no Terminal Tietê até Três Corações. De lá, pegar um transfer até São Thomé (em média 40 km de distância).

Compartilhe esse artigo com aquela pessoa que vai viajar para São Thomé das Letras com você!

Quanto custa viajar para a Disney em 2021 (com preços em reais)

Quanto custa uma viagem para a Disney? Será possível economizar? Neste artigo eu te ajudo a simular uma viagem para Orlando e os melhores parques do complexo Disney em 2021!

Salve essa imagem no Pinterest para ler o artigo depois!

Atualmente, conhecer os parques de Orlando pode parecer uma realidade um pouco distante, uma vez que a cotação do dólar ultrapassou os R$5.

Porém, planejamento é a chave do sucesso e o primeiro passo para realizar esse sonho é pesquisar um modelo de viagem que caiba no seu orçamento, mesmo que você precise de algum tempo para se planejar bem.

Sabendo que é uma curiosidade frequente, fiz uma simulação de plano de viagem para descobrir quanto custa viajar para a Disney atualmente – mesmo com o dólar nas alturas.

Antes de qualquer coisa, leve em consideração que esse planejamento é referente aos parques de Orlando, com preços pesquisados em agosto de 2020.

Primeiro, vamos à principal regra para economizar em uma viagem – não só para a Disney, mas para qualquer destino.

Viaje na baixa temporada

Na baixa temporada os preços da passagem, hospedagem e até dos ingressos de atrações turísticas diminuem muito.

Essa é uma regra para qualquer viagem, mas quando falamos em Disney, a diferença pode ser maior ainda. O valor de uma passagem para Orlando em julho, por exemplo, pode ficar 2x mais caro. Isso porque julho é a época de férias escolares e do verão americano. Ou seja, dois motivos para que a demanda seja muito maior – inclusive, entre os brasileiros.

Dito isso, farei uma simulação para a baixa temporada de 2021.

Custos básicos de uma viagem para a Disney

  • Visto e Passaporte
  • Passagem aérea
  • Hospedagem
  • Ingressos
  • Transporte
  • Alimentação
  • Seguro viagem

Visto e Passaporte

Se você já tem o visto americano e passaporte válido, pode pular essa etapa.

Porém, se ainda não tem esses documentos, a primeira coisa que você precisa fazer é tirar o visto americano e o passaporte de viagem. Só assim será possível ingressar nos Estados Unidos e em qualquer cidade americana.

O visto americano custa US$160, o equivalente a R$869 atualmente (agosto/2020).

Não é barato. Mas, caso consiga retirar seu visto com sucesso, terá um prazo de até dez anos para utilizá-lo. Ou seja, poderá voltar para os Estados Unidos durante todo esse tempo, sem precisar pagar pelo documento.

Já o passaporte custa em torno de R$257,25 atualmente, e sua validade também tem o prazo de dez anos.

Passagem aérea para Orlando

Como citado anteriormente, o preço das passagens costuma oscilar bastante – principalmente se comparado entre a baixa e alta temporada.

De acordo com o site Skyscanner, as passagens para Orlando desde São Paulo custam mais ou menos R$2.300, ida e volta, durante o mês de maio.

Leve em consideração que essa é a média de preço. Ele pode oscilar de acordo com alguns detalhes do seu vôo: O horário de embarque, a quantidade de conexões, a companhia aérea, entre outros.

Dica: Pesquise bem o preço das passagens aéreas em diferentes companhias, com antecedência de no mínimo 6 meses. Prefira viajar em datas estratégicas. O preço pode chegar a mais de R$3.000 durante a alta temporada e a menos de R$2.000 durante a baixa temporada.

Dica: Atente-se às promoções. As companhias aéreas costumam realizar várias promoções de passagens até Orlando durante o ano.

Por exemplo: O vôo mais recomendado pela Skyscanner custa R$2.300 – é mais caro, pois se trata de um vôo direto.

Já o vôo mais barato custa R$1.907, porém, a conexão entre outras cidades leva mais de 16 horas.

Hospedagem

Se você pretende se hospedar em um resort ou um hotel renomado próximo aos parques da Disney, provavelmente pagará mais caro por isso.

Porém, existem opções de hospedagem mais econômicas. E é nelas que vou focar aqui, pois minha intenção é simular uma viagem mais econômica.

Onde se Hospedar em Orlando

Se você quer economizar tempo, pode preferir se hospedar nos bairros próximos aos parques mais famosos da Disney e da Universal Studios. São eles: Internacional Drive, Lake Buena Vista, Kissimee e Celebration – uma região designada pela própria Walt Disney Company.

Hotéis

De acordo com o Booking, um bom hotel localizado nos bairros citados acima, com café da manhã incluso, custa em média R$450 por diária.

Porém, existem opções de hospedagens mais simples, com preço médio de R$300 por diária.

Condomínios

Essa é, provavelmente, a melhor opção em relação a custo-benefício.

Nessa modalidade você aluga uma casa ou apartamento em um condomínio fechado. Estes condomínios, muitas vezes, possuem espaços bem confortáveis, com uma estrutura similar à de hotéis.

Existem dois tipos de hospedagem em condomínios: Aluguel de casas ou apartamentos e aluguel de quartos. A segunda opção é ainda mais barata do que alugar uma casa inteira, porém, pode não ser confortável para famílias grandes.

No site da Airbnb é possível encontrar esse tipo de hospedagem por menos de R$300 a diária. Leve em conta que poderá utilizar toda a estrutura do condomínio, incluindo piscina, jacuzzi, academia etc.

Ingressos

Antes de considerar fechar um pacote de ingressos para todos os parques da Disney e da Universal Studios, é importante levar em consideração que, se você quer economizar, precisa cortar alguns parques da sua viagem.

Tudo depende do seu tempo disponível e qual tipo de parque você realmente gosta.

Imagine que você seja uma pessoa apaixonada por montanhas-russas. Você paga caro em um parque, chega lá e descobre que ele não tem brinquedos radiciais. Isso pode acontecer, pois cada parque da Disney possui uma personalidade diferente – alguns podem ser mais indicados para crianças e fãs da Disney do que para adultos aventureiros, por exemplo.

Leia também:

Quanto Custa o Ingresso da Disney

O ingresso para um dia de parque da Disney custa US$109 (adultos) e US$103 (crianças) – uma média de R$600 atualmente.

Supondo que você visite três parques, o preço médio é de R$1.800.

Transporte

O transporte público não é o forte da cidade, por isso, é importante levar em conta que se locomover em Orlando não é algo que possibilita economias muito grandes, a não ser que você esteja hospedado no complexo Disney – que oferece hospedagens mais caras.

Além das opções destacadas a seguir, existem também opções de transporte que os próprios hotéis de Orlando fornecem para os hóspedes, tanto para a Disney quanto para outros atrativos.

Carro

A melhor maneira de se locomover pela cidade de Orlando é de carro. Você pode alugar o seu próprio veículo e, assim, ter mais conforto e liberdade.

O aluguel de um carro econômico custa, em média, R$250 por diária.

Dica: É importante conferir a avaliação das locadoras. Faça sua pesquisa em sites confiáveis e desconfie de preços muito baixos!

Táxi ou Uber

Esse é o tipo transporte ideal para quem quer mais conforto e economia em suas viagens, sem precisar dirigir – não só na Disney, mas em qualquer lugar.

A vantagem de utilizar o serviço de Táxi ou Uber é não precisar se preocupar com as leis de trânsito de um país diferente do seu, nem gastos com estacionamento, combustível, entre outros.

Esse tipo de transporte é comum pela cidade e pode ser uma opção para se deslocar até os parques e também para outros lugares durante os dias livres: Shoppings, Outlet, restaurantes etc.

Transfer

Se você fecha um pacote de viagens para a Disney com uma agência de turismo, provavelmente terá incluso o transfer entre o hotel e os parques – muitas vezes, um guia turístico acompanha os visitantes também.

Mas caso esteja em Orlando por conta própria, poderá fechar um serviço de transfer a parte. Seja de van ou ônibus, essa modalidade pode levar vários hóspedes de diferentes hotéis ao mesmo tempo até os parques – se preferir, o transfer pode ser particular.

Alimentação

A alimentação também é um gasto que pode influenciar demais o valor da sua viagem.

A maioria dos destinos pelo mundo afora oferecem opções de restaurantes econômicos (normalmente aqueles menos turísticos), mas em relação à uma viagem para a Disney isso pode ser mais difícil, ainda mais pelo valor atual do dólar.

Uma refeição completa no complexo Disney, por exemplo, pode custar em média US$25 – que convertendo para reais, hoje em dia, fica R$137.

De acordo com o site Quanto Custa Viajar, uma refeição econômica em Orlando custa ente 15 e 20 dólares. Se o seu hotel inclui café da manhã, já é uma refeição a menos para se preocupar com o preço.

Dica: Uma estratégia para economizar com alimentação, que vale para qualquer destino, é se hospedar em casas ou apartamentos. Assim, você prepara suas próprias refeições. No caso de Orlando, essa estratégia só não vale para os dias de parque.

Seguro Viagem

O seguro viagem é um gasto essencial para suas viagens, principalmente quando se trata de um destino internacional.

É claro que ninguém viaja pensando no pior, mas imprevistos podem acontecer. O seguro viagem costuma cobrir atendimento médico, malas extraviadas, assistência farmacêutica, entre outros. Tudo depende do seguro que você escolher.

A média de preço para um bom serviço de seguro viagem nos Estados Unidos é de R$40 por dia. Isso pode depender bastante do serviço contratado, por isso, é importante pesquisar bem antes.

Quanto custa viajar para a Disney em 2021?

Levando em consideração todos os pontos levantados, essa é média de gastos por dia com uma viagem para a Disney em 2021 (baixa temporada):

  • Hospedagem: R$300 em hotel simples ou aluguel de casa/apartamento em condomínio
  • Ingresso: R$600 por dia de parque no complexo Disney
  • Transporte: R$250 com aluguel de carro
  • Alimentação: R$250
  • Seguro viagem: R$40

Vamos supor que você faça uma viagem de 8 dias inteiros, sendo 3 dias de parque:

  • Hospedagem: R$2.400
  • Ingresso: R$1.800
  • Transporte: R$2.000
  • Alimentação: R$2.000
  • Seguro viagem: R$320
  • Passagem aérea: R$2.300
  • Visto e passaporte: R$1.126

Total por adulto: R$12.000

O gasto pode facilmente diminuir para R$10.000, por exemplo, se você encontrar passagens aéreas em promoção (que são bem frequentes) e economizar um pouco mais com hospedagem.

Tudo é uma questão de planejamento e escolhas!

Pacotes Promocionais para a Disney

Hoje em dia, felizmente, é fácil encontrar pacotes de viagem que incluem passagem + hospedagem por um preço promocional.

Alguns pacotes também incluem a assistência de um guia turístico brasileiro durante toda a viagem, que pode ser vantajoso para quem está viajando para fora do país pela primeira vez, se sente inseguro para falar inglês ou simplesmente quer ter mais conforto.

De qualquer forma, mesmo que o pacote de viagem tenha um preço atrativo, não se esqueça de levar em conta outras despesas que esses pacotes não incluem, como alimentação, seguro viagem, visto e passaporte!

O importante é sempre calcular todos os gastos e colocar na balança o que mais vale a pena: Fechar um pacote promocional ou viajar por conta própria.

Se você conhece alguém que sonha conhecer a Disney, compartilhe esse artigo! E se você é a pessoa que sonha conhecer a Disney, salve esse post para ler quando começar o seu planejamento de viagem!

O que fazer em Santiago do Chile: Roteiro de 6 dias durante o verão

Se você já se perguntou se vale a pena viajar para o Chile durante o verão, a resposta é: Claro que sim! Neste artigo, você descobrirá uma viagem por Santiago que vai muito além do tradicional esqui no Valle Nevado – com um roteiro de 6 dias pela capital chilena e outras cidades próximas.

DICA: Viajar para Santiago do Chile e seus arredores fora de temporada costuma ser bem mais econômico, principalmente em relação às passagens áreas e hospedagens.

O roteiro abaixo foi inspirado na viagem que fiz para Santiago, Valparaíso, Viña del Mar e Cajón del Maipo durante o verão de 2019.

Você também pode adaptá-lo de acordo com seus dias disponíveis e substituir os passeios que escolhi pelos passeios de inverno, como o Valle Nevado.

Dia 1 – Centro Histórico

  • Rua Augustinas (trocar o real por pesos chilenos)
  • Plaza de Armas
  • Catedral Metropolitana
  • Palácio de La Moneda
  • Museus

A primeira coisa que você deve fazer ao chegar em Santiago do Chile é encontrar uma casa de câmbio para comprar pesos chilenos.

Você pode até comprar um pouco no Brasil, mas não cometa o erro de trocar todo seu dinheiro por aqui, pois a cotação não vale a pena.

Se você está se perguntando onde trocar dinheiro em Santiago, a resposta é quase sempre a mesma aqui na internet: Rua Augustinas, no centro da cidade. Além de ter um acesso fácil, a maior parte das casas de câmbios confiáveis e com a melhor cotação estão localizadas por lá.

O que fazer no Centro Histórico de Santiago

Caminhando pelo centro de Santiago você encontra diversas lojas, restaurantes e pontos turísticos, entre eles a Plaza de Armas, principal praça da cidade, seguindo para a Catedral Metropolitana e o Palácio de La Moneda.

Outro lugar próximo ao centro histórico, que algumas pessoas costumam incluir no roteiro, é o Mercado Municipal. Eu particularmente pulei essa atração, pois encontrei vários comentários negativos na internet em relação ao assédio com turistas.

Porém, se você estiver consciente desses “perrengues” e dispor de mais tempo durante sua viagem, pode ser interessante visitá-lo para degustar a culinária típica do país, incluindo vinhos, queijos, carnes e empanadas.

Os museus de Santiago do Chile também podem ser interessantes para quem quer conhecer melhor a história da capital. Alguns até possuem entrada gratuita.

Entre os mais conhecidos, estão o Museu Nacional de Belas Artes (gratuito), Museu Chileno de Arte Pré-Colombiana (4.500 pesos chilenos) e o Museu Nacional de História Natural do Chile (gratuito).

Dia 2 – Cajón del Maipo

  • Cajón del Maipo
  • Embalse El Yeso
  • Termas Valle da Colina

Cajon del Maipo é uma região localizada na Cordilheira dos Andes, a mais ou menos 100 km de distância de Santiago. Esse “bate-volta” é um dos passeios mais procurados pelos turistas que visitam a capital chilena.

Embalse El Yeso

Embalse El Yeso é a principal fonte de água potável para a região de Santiago, e fica localizada em Cajón del Maipo. Seu reservatório é composto por águas bem cristalinas, em tons de azul turquesa. A beleza é tanta, que a área se tornou um dos principais cartões-postais do Chile!

DICA: Essa área pode ser perigosa, pois suas estradas são bem estreitas e podem ficar escorregadias durante os períodos de nevasca. Recomendo contratar uma agência de confiança, que conheça bem o local, para realizar os passeios.

Termas Valle da Colina

Também localizado em Cajón del Maipo, o espaço Termas Valle da Colina é formado por piscinas naturais, com águas provenientes de vulcões, de temperaturas que variam entre 24 e 55 graus. Tudo em meio à Cordilheira dos Andes!

O passeio costuma ser realizado apenas durante os períodos sem neve, pelas agências de turismo.

Essa é uma atividade bem “roots”. Não tem luxo – afinal, são termas naturais, nas montanhas. Mas, particularmente, achei um passeio imperdível!

Termas Valle da Colina

Para visitar Cajon del Maipo com mais segurança e otimizar seu tempo, contrate uma agência de confiança. Recomendo a Destino Chile, que realizou todos os passeios que fechei por lá!

Um passeio completo por Cajon del Maipo pode durar em média 12h, se feito com agência. Passe um dia todo por lá e aproveite o máximo possível de todos os passeios!

Dia 3 – Cerro San Cristóbal e Bairro Las Condes

  • Sky Costanera
  • Shopping Costanera Center
  • Restaurante Giratorio
  • Cerro San Cristóbal

Bairro Las Condes

Na viagem que fiz em 2019, o início do terceiro dia foi todo dedicado a conhecer o bairro Las Condes – uma das regiões mais nobres de Santiago do Chile.

É por lá que o prédio mais alto da América Latina está localizado: O Sky Costanera. Para subir até o topo e apreciar a vista de Santiago, o ingresso custa em média 15.000 pesos chilenos.

Aproveitando a localização, explore o Costanera Center: um shopping gigante, com 7 andares e mais ou menos 300 lojas. Por lá, você encontra adegas com os melhores vinhos chilenos, supermercados e várias opções de lojas de roupas.

Há poucos metros de distância do Costanera Center está localizado o famoso restaurante Giratório. O próprio nome já diz: ele gira em 360º, com uma vista incrível para o bairro Las Condes e para a Cordilheira dos Andes.

Lá no instagram @experienciasnamala eu conto mais sobre o lugar e deixo minha opinião sobre a comida!

Cerro San Cristóbal

O Cerro San Cristóbal é um mirante localizado no Parque Metropolitano de Santiago, considerado o maior da capital. O que torna essa atração tão imperdível é a beleza e imensidão do lugar.

Localizado no bairro Bellavista, o parque ainda oferece outras atrações além do acesso ao cerro, incluindo o Jardim Japonês de Santiago, um Zoológico e até uma piscina pública!

A melhor maneira de subir até o Cerro San Cristóbal é através do funicular, que custa em média 2.000 pesos chilenos o trecho. Para descer, escolha o teleférico, que custa em média 2.300 pesos chilenos.

Vista do teleférico

Dia 4 – Valparaíso e Viña del Mar

  • Valparaíso – Praias, grafite, arte, funiculares
  • Viña del Mar – Praias, cassino, museus, castelos

Valparaíso e Viña del Mar são duas cidades litorâneas, localizadas a mais ou menos 130 km de distância de Santiago. Apesar de estarem bem próximas, cada cidade possui uma particularidade única!

Valparaíso respira arte, história e simplicidade. Enquanto isso, Viña del Mar conta com muito mais modernidade e luxo, incluindo restaurantes caros e um cassino.

Caso não esteja viajando de carro, é possível pegar um ônibus desde Santiago ou fechar um passeio com alguma agência de turismo – que normalmente inclui transporte ida e volta e o acompanhamento de um guia turístico.

Saiba o que fazer em Viña del Mar e Valparaíso no instagram @experienciasmala!

Dia 5 – Cerro Santa Lucia e Vinícolas

  • Cerro Santa Lucia
  • Vinícola Concha Y Toro

Cerro Santa Lucia

O Cerro Santa Lucia com certeza foi a atração que mais me surpreendeu em Santiago. Trata-se de um mirante (assim como o Cerro San Cristóbal) localizado dentro de um parque urbano.

O diferencial dele é a beleza exótica, que inclui castelos, cascatas e espaços convidativos para caminhadas ao ar livre.

Vinícolas

O vinho está na lista de bebidas mais tradicionais do Chile. Se você gosta de degustar a bebida e quer conhecer a história da vinícola mais famosa do país, faça uma visita até Concha y Toro, na região de Valle del Maipo – não fica muito longe do Cerro Santa Lucia.

Créditos: dicaschile.com.br

Também existem pelo menos outras quatro vinícolas principais próximas à Santiago. É um passeio bem tradicional da cidade, que você pode fazer por conta própria ou contratando uma agência de turismo.

O preço médio de um tour pela vinícola Concha Y Toro é de 16.000 pesos chilenos (mais ou menos R$100 em ago/2020).

Dia 6 – Região da Providência

  • Parque Forestal
  • Bairro Lastarria
  • Pátio Bellavista

A Providência é uma região que engloba vários bairros diferentes em Santiago. Cada bairro possui uma personalidade única!

Este itinerário é para fechar a viagem com tranquilidade, sem correria.

Comece o dia caminhando pelo Parque Forestal, tome um café da tarde no bairro Lastarria e encerre a noite no badalado Pátio Bellavista.

Parque Forestal

Muitos ainda podem não saber, mas Santiago do Chile é o destino perfeito para quem ama caminhar, fazer piquenique ou andar de bike no parque. A cidade conta com diversos parques urbanos – entre eles, o Parque Forestal.

É como se fosse uma praça gigante, sem portões nem guaritas. É só entrar.

Lastarria

Sabe aquele cenário “vintage”, que te faz sentir dentro de um filme de romance? Assim é Lastarria. Com construções antigas, feiras de artesanato, museus e restaurantes, o bairro é considerado um dos preferidos pelos turistas.

Aproveite para tomar um café da tarde no Lastarria Café, um dos mais tradicionais do bairro!

Pátio Bellavista

O Pátio Bellavista é um espaço comercial, considerado point de encontro aos finais de semana – inclusive, fica próximo a diversas baladas da cidade.

Seu design é bem moderno e o ambiente bem descontraído, com uma grande variedade de restaurantes, bares, lojas, cafeterias e livrarias.

Agora que você já sabe o que fazer em Santiago do Chile, pode começar a planejar a sua próxima viagem!

Lembrando que alguns passeios podem não funcionar durante períodos de neve, portanto, é sempre bom planejar bem quando ir para o Chile e quais são os melhores passeios para cada estação!

O que fazer em Capitólio, MG: Roteiro de 2 dias

Neste artigo vou compartilhar a minha experiência em Capitólio, onde passei 2 dias do final de semana realizando os principais passeios. Então, se conhecer o Mar de Minas está na sua lista de desejos, confira o roteiro completo de 2 dias em Capitólio, com dicas para sua próxima viagem!

Salve essa foto no Pinterest!

Há alguns anos Capitólio tem se tornado um destino cobiçado pelos brasileiros, principalmente aqueles que gostam de trekking e ecoturismo. Rodeada pela natureza, a cidade mineira ficou conhecida por suas belas paisagens, que combinam os incríveis paredões rochosos dos Cânions de Furnas, com o tom verde-esmeralda do Lago de Furnas – considerado o “mar” de Minas.

Como chegar em Capitólio

Capitólio está localizada a mais ou menos 450 km da capital de São Paulo, com um percurso aproximado de seis horas. Para quem mora na capital paulista, é um destino que pode ser considerado “próximo”, levando em conta que fica localizado em outro Estado. Por isso, é comum que a principal escolha dos turistas seja viajar de ônibus ou de carro.

A companhia Expresso União realiza viagens de ônibus desde o Terminal Tietê – SP até Capitólio, com o preço médio de R$150 por trecho.

Para chegar até Capitólio de avião, é preciso descer em um dos aeroportos de Belo Horizonte e pegar a estrada. A distância é de aproximadamente 279 km, o que equivale a pouco mais de quatro horas de viagem.

O que fazer em Capitólio

Capitólio vai muito além do Lago de Furnas. A cidade também é cercada por trilhas, cachoeiras e lagoas incríveis. Com tantos atrativos, você vai querer passar pelo menos dois dias na cidade, e se tiver tempo, poderá ficar por até uma semana.

Abaixo, confira uma lista com os melhores passeios para fazer em Capitólio:

1. Navegar pelo Lago de Furnas

A melhor maneira para conhecer o Lago de Furnas e os cânions em Capitólio (MG) é através do passeio de lancha. Pela cidade, você encontra diversas agências e guias turísticos que oferecem essa opção de passeio, que custa entre R$70 e R$100 para a modalidade coletiva – que recebe grupos com mais de 10 pessoas – em uma jornada de mais ou menos 2 ou 3 horas.

Durante o passeio, as lanchas costumam passar pelos principais pontos do Lago de Furnas (alguns com opção de mergulho), entre eles: Vale dos Tucanos, Cascatinha, Lagoa Azul e as cachoeiras dos Cânions. A sensação de tomar um banho no Lago de Furnas, cercado pelos enormes cânions, é incrível! E o melhor de tudo é que a temperatura da água costuma ser bem agradável.

Para os que preferem um passeio mais tranquilo ou precisam economizar, existe também a opção do passeio de chalana, que custa em média R$50. Porém, o passeio oferece menos paradas, por ser um transporte mais devagar.

Vale dos Tucanos

Algumas lanchas também fazem paradas em outro ponto bem interessante: O Bar Flutuante Scarpas Beer, perfeito para quem quer se refrescar tomando umas cervejas enquanto flutua pelo Lago de Furnas.

2. Tirar fotos no Mirante dos Cânions

Se você já pesquisou sobre Capitólio na internet, provavelmente encontrou diversas fotos lindas do Mirante dos Cânions. Esse atração oferece vistas incríveis para os cânions, para o Lago de Furnas e para algumas cachoeiras.

Com acesso através de uma pequena trilha, a entrada no Mirante conta com três portarias (cada uma direcionada para um ponto diferente do mirante). O preço médio da entrada é de R$20.

3. Fazer a Trilha do Sol

A Trilha do Sol é um complexo privado de trilhas e cachoeiras, e seu percurso se inicia em uma pousada que, além da trilha, oferece para seus hóspedes o uso de piscinas, quadras e redes para descanso.

Essa atração, que é uma das mais famosas e imperdíveis de Capitólio, te leva para três cachoeiras diferentes através de uma caminhada de aproximadamente 4 km: Cachoeira do Grito, No Limite e Poço Dourado – uma mais linda que a outra! A caminhada pode ser considerada leve e fácil, com uma trilha bem sinalizada. Porém, é importante levar em conta o cuidado com eventuais descidas íngremes e escorregadias.

O preço atual (2020) para ter acesso à trilha é de R$40.

4. Visitar a Cascata Eco Parque

A Cascata Eco Parque é mais um complexo de cachoeiras imperdível em Capitólio. O espaço conta com cânions, cachoeiras e uma variedade de piscinas naturais, que oferecem ao visitante cenários de tirar o fôlego e uma oportunidade de curtir a natureza.

E se você está em busca pela experiência de acampar em Capitólio, a Cascata Eco Parque conta com uma infraestrutura própria para camping, incluindo chuveiros, bar e cozinha. Foi o local onde fiquei hospedada e posso dizer que é um espaço bem simples. Mas acordar com as piscinas naturais e cascatas de Capitólio no seu “quintal” é incrível!

O preço médio para visitar a Cascata Eco Parque é de R$40.

5. Contemplar a Pedreira da Lagoa Azul

A Pedreira da Lagoa Azul é um tipo de paraíso escondido em Capitólio. Com águas em tons azulados, o cenário se tornou um dos pontos favoritos para os visitantes tirarem fotos.

O único “porém” é que, para chegar até lá, o veículo precisa ser bem resistente a estradas de terra. Uma opção pode ser contratar um serviço de agências locais para visitar a área com mais segurança e tranquilidade.

Pedreira Lagoa Azul | Fonte: Secretaria de Turismo de Capitólio

Roteiro para o final de semana

Agora que você já sabe o que fazer em Capitólio, é hora de encaixar as atrações em seu roteiro. O itinerário abaixo foi inspirado no final de semana em que visitei Capitólio. A viagem se iniciou no sábado bem cedo, mais ou menos às 8 horas da manhã. É um roteiro básico, mas que inclui as atrações mais imperdíveis!

Dia 1:

Começar o dia fazendo a Trilha do Sol e conhecendo as três cachoeiras No Limite, Do Grito e Poço Dourado. Seguir para o Mirante dos Cânions para contemplar a paisagem e tirar fotos nos três cantos do mirante.

Dia 2:

Fazer o passeio de escuna ou chalana pelo Lago de Furnas (de preferência escolher o passeio que inclui o máximo possível de paradas). Finalizar o dia na Cascata Eco Park e relaxar nas piscinas naturais.

Lembrando que Capitólio é um lugar bem rústico, com uma infraestrutura simples e sem muito luxo. Mas a natureza compensa!

E você, o que achou dessas dicas de Capitólio? Compartilhe o artigo com seus amigos para planejar a sua próxima viagem!


Siga o Instagram da página

@experienciasnamala

9 fatos curiosos sobre a história de Walt Disney

Quando falamos em Disney, logo relacionamos a marca aos incríveis parques temáticos, desenhos e filmes que são líderes em bilheteria. De longe, pode parecer que a companhia sempre foi um sucesso e que seu fundador, Walter Elias Disney, teve muita sorte. Mas, nos bastidores de sua trajetória, nem tudo foi um conto de fadas. Walt Disney levou muitos anos para construir o que hoje é considerado a maior marca de entretenimento do mundo.

Então, se você gosta de empreendedorismo, Disney ou das duas coisas, vai gostar de descobrir quais são as 9 maiores curiosidades sobre a origem da Disney e como a marca mantém sua magia até hoje!

1. O início não foi fácil

Tudo começou quando Walt Disney decidiu investir quase toda sua energia, tempo e dinheiro (que não era muito) em correr atrás do sonho de ser um grande artista profissional. Em 1921, fundou um pequeno estúdio de curta-metragens chamado Laugh O’Gram Studio, que tinha como tema principal contos de fadas, e deu origem ao curta-metragem de Alice no País das Maravilhas.

Mas as coisas não foram fáceis. Um dos investidores e chefes de Walt Disney roubou os direitos autorais de seu personagem Oswald, O Coelho Sortudo, além de ter incentivado os animadores de Laugh O’Gram a se desligarem do estúdio, a fim de contratá-los. Com pouco dinheiro para investir na produtora, manter o aluguel e o salário dos funcionários, Disney foi despejado de casa e decretou falência.

2. A origem do Mickey

Diante das dificuldades, em uma época em que as animações estavam em alta e a concorrência era grande, Walt Disney vendeu alguns de seus pertences, se mudou para Los Angeles e, aos poucos, construiu um novo estúdio. Decidiu, então, criar um personagem que representasse a produtora: um camundongo, inspirado em um rato de estimação de seu antigo escritório, que inicialmente se chamaria Mortimer. O nome do personagem foi trocado para Mickey Mouse, uma sugestão da esposa de Walt Disney, Lillian Bounds. Disney criou a personalidade do Mickey, mas foi Ub Iwerks que criou o desenho. Em 1928, o primeiro curta-metragem do personagem foi lançado: Steamboat Willie. Walt Disney foi o dublador oficial de Mickey Mouse durante anos!

3. O primeiro longa-metragem

O novo estúdio de Walt Disney e seu irmão Roy O. Disney passou a se chamar Disney Brothers Cartoon Studios. em 1937, o primeiro longa metragem – que logo faria sucesso internacionalmente – foi criado: Branca de Neve e os Sete Anões, uma história baseada em um conto de fadas alemão. Com o sucesso do longa, o estúdio teve a oportunidade de criar outros desenhos, como Pinóquio, Dumbo e Bambi – histórias que marcaram a infância de muitos.

Branca de Neve e Os Sete Anões

4. Participação na Segunda Guerra Mundial

O período da Segunda Guerra Mundial influenciou muito na carreira de Walt Disney. Durante a guerra, o artista foi convidado a criar animações para o treinamento dos soldados.

Créditos: obviousmag.org

Após a guerra, o negócio de Disney entrou em crise. Foi aí que ele criou Cinderela, um dos contos de fadas mais famosos de todos os tempos.

5. O primeiro parque da Disney

A Disneyland, localizada na Califórnia, foi inaugurada em 1955 como o primeiro parque de diversões da Walt Disney Company. Em seu primeiro ano de funcionamento, o ingresso chegou a custar apenas U$1! Sua inauguração foi um sucesso tão grande que houve superlotação.

Inauguração da Disneyland, na California

6. O parque mais visitado do mundo

Em 1971 nasce o complexo Walt Disney World Resort: uma área com tamanho equivalente a uma cidade, com cerca de 100 km². Infelizmente, Walt Disney faleceu antes que pudesse acompanhar os incríveis resultados de seu projeto. O nome do complexo seria uma homenagem de Roy O. Disney ao irmão, para manter sua memória viva todas as vezes que as pessoas ouvissem falar sobre os parques. Magic Kingdom foi o primeiro parque temático inaugurado, e há anos é considerado o parque mais visitado do mundo.

Inauguração do parque Magic Kingdom

Hoje, Walt Disney World Resort conta com quatro parques principais, cada um inspirado em temas diferenciados. São eles: Magic Kingdom, Epcot, Hollywood Studios e Animal Kingdom. Conheça um pouco mais sobre cada um deles, incluindo suas principais atrações, clicando aqui!

7. Comunidade do futuro

O segundo parque da Disney foi uma ideia do próprio Walt Disney de construir um “mundo a parte”, onde a tecnologia seria avançada e pessoas de todas as culturas poderiam conviver no mesmo lugar. Mesmo após a morte do irmão, Roy O. Disney e os engenheiros da companhia deram continuidade ao projeto, que passou a se chamar Experimental Prototype Community Of Tomorrow, conhecido como EPCOT. Hoje, o parque é dividido em duas áreas: Uma é dedicada ao avanço da tecnologia, e outra na diversidade de culturas espalhadas pelo mundo, contando, atualmente, com 11 pavilhões de diferentes países dentro do parque.

Epcot

8. A magia está nos detalhes

Walt Disney sempre teve paixão pelo que fazia, mas também foi um expert em estratégias inteligentes de marketing. Por exemplo, existe uma regra nos parques da Disney onde nenhuma loja do complexo deve vender chicletes. A teoria é a de que Walt Disney era bem perfeccionista com o visual dos parques e queria evitar a aglomeração de lixos pelo chão. Afinal, nos contos de fada tradicionais não existem chicletes espalhados pelos jardins, né?

Outro fato curioso é que, para Walt Disney, a magia só era real se estivesse nos mínimos detalhes. Ou seja, não adiantaria passar uma imagem de “lugar mágico” se isso fosse apenas algo superficial. Um exemplo disso são os bastidores dos parques, que atualmente ficam localizados no subsolo, estrategicamente para que os funcionários não seja vistos realizando atividades pessoais ou para evitar que personagens repetidos sejam vistos no mesmo lugar.

9. Prêmios

Walt Disney é considerado a pessoa com maior número de Óscar da história, com 59 indicações e 22 prêmios. Além disso, também recebeu sete prêmios da Emmy Awards e, até hoje, é conhecido não só como o maior nome do entretenimento, mas como um dos maiores homens de negócios de todos os tempos.

Nada como uma história motivadora para continuar a correr atrás dos nossos sonhos, né? Dê um like no post e siga o blog para ficar por dentro de todos os conteúdos!

Culinária Internacional: 7 pratos típicos do mundo com restaurantes em São Paulo (com delivery)

Fazer tours gastronômicos durante uma viagem passou a ser uma atividade comum e, muitas vezes, indispensável. Não é pra menos: Cada canto do mundo oferece uma experiência gastronômica única, com receitas criadas a partir de histórias e culturas diferentes.

Durante o isolamento social, no entanto, viajar e visitar restaurantes diferentes está fora de cogitação. Mas enquanto isso, muitos restaurantes mantém suas portas abertas através da opção de delivery!

Abaixo, selecionei 7 pratos típicos internacionais incríveis e suas principais opções de delivery por São Paulo. Então se você gosta de viagem, gastronomia e cultura, não deixe de ler o post!

1. Argentina – Empanadas e alfajor

Empanadas

A Argentina é o tipo de país que conta com uma grande variedade de pratos típicos deliciosos. Inclusive, suas carnes e vinhos são considerados um dos melhores do mundo. Porém, aqui vamos falar um pouco sobre as famosas empanadas argentinas. Originada da Espanha, essa receita é bem similar ao nosso pastel e, inclusive, é tão consumida pelos argentinos (e também pelos chilenos) quanto o pastel é consumido pelos brasileiros.

As empanadas contam com uma massa mais grossa, e podem ser fritas ou assadas. O sabor tradicional inclui carne, azeitonas e ovos, mas elas também podem ser encontradas em outras versões de sabores, como queijo e espinafre.

Imagem de Gabriel Avellaneda por Pixabay

Alfajor

O alfajor é o “brigadeiro” da Argentina e engana-se quem pensa que ele só pode ser encontrado no café Havanna. Pelo contrário: O doce, similar a um biscoito levemente crocante, é encontrado facilmente pelas regiões da Argentina, com diversas opções de sabores, marcas e preços. O sabor mais tradicional é o de doce de leite com cobertura de chocolate.

Restaurante típico da Argentina com delivery em São Paulo

O restaurante La Guapa foi criado pela empresária, chef de cozinha e jurada do programada MasterChef, Paola Carosella. As empanadas artesanais do La Guapa são deliciosas e estão disponíveis em diversos sabores, da clássica versão de carne até as versões veganas.

Além das empanadas, o menu do restaurante argentino conta com alfajores e outras sobremesas consumidas na Argentina.

2. Austrália – Churrasco

Assim como no Brasil, o churrasco ou “barbecue” – como chamam os australianos – é bem presente na Austrália e costuma ser um bom motivo para reunir família e amigos em uma tarde com bastante carnes e bebidas.

Influenciada pela culinária britânica e irlandesa, as carnes de vaca, de ovelha e de porco são as mais consumidas no país. A costela com molho barbecue é um dos pratos mais típicos do local.

Restaurante típico da Austrália com delivery em São Paulo

Apesar de ser um restaurante norte-americano, o Outback foi inspirado na culinária australiana e tem como um de seus pratos principais a costela com barbecue, acompanhada de fritas.

Com mais de 20 unidades espalhadas pela capital paulista, a rede investiu no delivery (para nossa alegria)!

3. Estados Unidos – Café da manhã norte-americano

Sabemos que a culinária norte-americana é bem diversificada e, infelizmente, não costuma ser muito saudável. Porém, uma coisa não podemos negar: O café da manhã típico dos Estados Unidos é delicioso!

Normalmente rico em proteínas, carboidratos e gordura, o café da manhã norte-americano conta com ovos, bacon, linguiça e massas como a panqueca americana, o bagel e o waffle. Tudo com muita pasta de amendoim, geleia, mel e maple syrup (xarope de bordo).

Restaurante típico dos Estados Unidos com delivery em São Paulo

Uma coisa que você precisa fazer pelo menos uma vez na vida: Experimentar um típico café da manhã norte-americano! E uma dica de lugar bem gostoso é a hamburgueria A Chapa, que inclui em seu cardápio pratos típicos do café da manhã do país, incluindo ovos fritos, panquecas, bacon e muito mais.

Cardápio do restaurante A Chapa

4. Havaí – Poke

Frutas, peixes, arroz, frutos do mar… A culinária havaiana costuma ser bem saudável e rica em nutrientes. E uma das receitas que vem conquistando os brasileiros é o Poke: uma combinação de peixe cru com arroz, frutas e vegetais.

É claro que, aqui no Brasil, personalizamos um pouco a receita e incluímos opções de ingredientes como o cream cheese, shoyu e molho tarê – o que, na minha visão, deixa o Poke similar a um temaki aberto. Quem gosta de temaki já pode imaginar o sabor delicioso desse prato personalizado com esses ingredientes, né?

Restaurante típico do Havaí com delivery em São Paulo

O Poke Poke é um fast food inspirado na culinária havaiana. Você escolhe a base do seu poke e inclui os ingredientes que desejar, desde frutas até vegetais e cream cheese.

Além disso, existem diversas opções de restaurantes que servem o prato típico havaiano por aí. No iFood, você encontra vários restaurantes japoneses que incluem a receita no cardápio.

5. Japão – Lámen

A culinária japonesa é bem nutritiva, sendo rica em proteínas derivadas do peixe, da carne de porco e do frango.

O lámen pode não ser tão consumido por aqui no Brasil quanto o sushi e seus derivados, mas é um dos pratos mais consumidos pelos japoneses, embora exista a teoria de que a receita foi, na verdade, criada na China. Trata-se de uma combinação de caldo a base de molho tarê com macarrão japonês, carne de porco ou peixe e vegetais. Algumas versões também podem incluir ovos na receita.

Imagem de ally j por PixabayImagem de ally j por Pixabay

Restaurante típico do Japão com delivery em São Paulo

Em especial, o bairro da Liberdade conta com diversas opções de restaurantes especialistas em lámen, incluindo versões personalizadas, como o lámen vegetariano. Falando em delivery, o iFood conta com algumas opções de restaurantes do gênero, incluindo o Lamen The Bowl.

6. Líbano – Falafel

A culinária árabe costuma ser bem diversificada e é rica em nutrientes derivados de cereais, legumes e grãos. Entre os alimentos mais consumidos está o grão-de-bico, um ingrediente rico em proteínas, utilizado para preparar receitas como a pasta de homus e o falafel, um bolinho frito delicioso, feito a base do grão-de-bico e de temperos como alho, cebolinha, salsa e cominho.

O Almanara chegou até São Paulo em 1950, e até hoje é considerado um dos restaurantes mais reconhecidos pela culinária libanesa na capital. Com um cardápio bem variado, o restaurante não é barato, mas pode ser uma opção se você pretende experimentar receitas tradicionais da culinária árabe pela primeira vez.

7. México – Tortillas

Os pratos mexicanos costumam ser bem temperados, com sabores acentuados. As tortillas são pães de folha que têm como base a farinha de milho. Duas receitas muito conhecidas, que são criadas a partir da massa, são as quesadillas e os burritos, que podem ser recheados com carne, frango, feijão, queijo e vegetais. Entre os temperos, a pimenta não pode faltar!

Imagem de Chris Tweten por Pixabay

Restaurante típico do México com delivery em São Paulo

O restaurante Si Señor é, provavelmente, um dos primeiros que vêm à mente quando falamos em culinária mexicana aqui em São Paulo. Com um cardápio extenso e cheio de opções de pratos e bebidas, o local conta com serviço a la carte e rodízio, mas agora, durante o isolamento, é importante investir no delivery.

Continuar lendo “Culinária Internacional: 7 pratos típicos do mundo com restaurantes em São Paulo (com delivery)”

Paraty, RJ: O que fazer, onde ficar e quanto custa

Cercada por uma arquitetura colonial que se mantém intacta desde os séculos 18 e 19, Paraty é um destino histórico imperdível, localizado a mais ou menos 240 km da capital do Rio de Janeiro. Além de ser considerada um Patrimônio Histórico Nacional, a cidade também conta com muita natureza, praias, ilhas e cachoeiras. E o melhor: Além de ser um destino incrível, sua viagem pode ser bem acessível, mesmo que você esteja com pouco dinheiro.

Abaixo, você irá descobrir quais são os melhores passeios em Paraty, onde se hospedar, e quais são os preços das principais atrações e hospedagens. Confira!

Salve esta imagem no Pinterest para conferir as dicas depois

O que fazer em Paraty

1. Conhecer o Centro Histórico

O Centro Histórico de Paraty é basicamente um museu a céu aberto. Com uma arquitetura colonial preservada, essa área conta com igrejas, casarões e canhões originados dos séculos 18 e 19, período do Brasil Colonial. Entre suas principais construções está a Igreja de Santa Rita – um dos cartões-postais da cidade – construída em 1722.

Restaurantes, bares, cafés, cachaçarias, lojinhas de artesanatos, museus… Seja aonde você for, encontrará construções bem antigas e charmosas, localizadas sobre ruas de pedra, a poucos metros do mar.

O Centro Histórico em si já é uma atração, uma vez que mantém a história do Brasil Colonial preservada. A cidade era um importante centro econômico, que servia como porto para a embarcação do ouro e das pedras preciosas para Portugal.

Uma opção para conhecer a história de Paraty afundo é fechar uma city tour com alguma agência local – são muitas opções disponíveis no centro da cidade. É possível encontrar passeios guiados por até R$30, mas também poderá encontrar opções de free walk tours (modalidade em que você conhece a cidade de graça), considerando, se puder, pagar uma gorjeta ao guia turístico.

2. Fazer um passeio de escuna

A maneira mais rápida e confortável para entrar em contato com as praias de Paraty é através do passeio de escuna. Diretamente em seu cais de turismo você encontra diversas opções de escunas disponíveis para contratar na hora. Mas, caso prefira algo mais personalizado, poderá visitar alguma das agências de turismo localizadas no centro e fechar um passeio para você ou seu grupo.

O preço de um passeio de escuna pela baía de Paraty pode variar bastante, mas costuma ser acessível: uma média entre R$50 e R$90 para uma jornada de até 5 horas, com paradas para banho e opções de aluguel de snorkel. O itinerário depende da empresa, mas entre os pontos mais visitados estão a Ilha Comprida, Lagoa Azul, Praia Vermelha, Praia da Lula e Praia da Conceição.

Com águas calmas e cristalinas, que variam entre diferentes tons de verde-esmeralda, o mar de Paraty costuma ser bem convidativo para quem deseja praticar flutuação (snorkel) e nadar com os peixes.

Normalmente, as escunas recebem vários turistas de uma vez, tocam música e oferecem opções de bebida e almoço. Se você prefere algo mais particular, também existem escunas menores e mais reservadas. Vale a pena pesquisar qual é a melhor escuna para você antes de fazer a sua escolha!

3. Se aventurar pelas cachoeiras

A alguns quilômetros do centro da cidade, Paraty conta com quatro cachoeiras principais: Tobogã, Pedra Branca, Poço do Tarzan e Poço do Inglês.

É possível ter acesso de carro, mas caso prefira evitar as estradas de terra, poderá optar por um passeio guiado através das agências de turismo locais – que realizam o passeio em um veículo 4×4. O passeio com a agência Terravista, por exemplo, custa em média R$89, incluindo as quatro cachoeiras e um passeio por alambiques – com degustação de cachaças.

4. Degustar diferentes sabores de cachaças

E por falar em cachaça… Paraty é um destino bem conhecido por suas cachaças artesanais, uma vez que a bebida faz parte de sua história desde o período do Ciclo da Cana-de-açúcar. Conforme mencionado no início do post, entre os atrativos do centro histórico estão as cachaçarias, com diversas opções de sabores – dos mais leves e adocicadas até os mais fortes.

Mas, além das opções de cachaçarias no Centro Histórico, Paraty conta com sete alambiques (áreas de produção das cachaças artesanais), uma maneira diferenciada para você conhecer as tradicionais bebidas da cidade, degustá-las e levar algumas para casa!

Uma das cachaças mais conhecidas – que é muito saborosa, por sinal – chama-se Gabriela, com sabor de cravo e canela, produzida no alambique de Paratiana, a mais ou menos 7,5 km do centro.

Alambique em Paraty | Créditos: www.vaiparaty.com.br/

Essa famosa tradição da cidade, que já teve a cachaça como moeda de troca no século 18, deu origem ao Festival da Cachaça, também conhecida como Festival da Pinga; um evento cultural realizado todos os anos desde 1982.

5. Visitar a Vila de Trindade

Localizada a 30 km de Paraty, Trindade é uma bela vila de pescadores, conhecida por suas lindas praias e piscinas naturais. Por estar tão perto de Paraty, o local é muito visitado por quem está hospedado na cidade e quer passar o dia tomando sol na praia e um banho de mar, sem precisar pegar um barco para isso. Com águas cristalinas e cenários paradisíacos, as praias do Cepilho, dos Ranchos, do Meio, do Cachadaço e a piscina natural do Cachadaço costumam ser as mais visitadas.

Para chegar até Trindade de carro é preciso pegar a Estrada de Trindade, depois de sair da Rodovia Rio-Santos. Através de algumas trilhas, poderá ter acesso às principais praias da vila.

No entanto, caso prefira (ou não tenha acesso a um carro), poderá contratar um guia turístico em uma das agências localizadas no centro de Paraty, como essa aqui, que oferece um passeio guiado pelas principais praias e trilhas por R$98.

Se você prefere uma maneira mais econômica para chegar até Trindade, também poderá pegar um ônibus desde Paraty. O trajeto é realizado pela empresa Colitur e os ônibus partem da Rodoviária de Paraty a cada uma hora – assim como retornam de Trindade a cada uma hora também. O preço de uma passagem custa em média R$5.

6. Explorar os arredores

Próximo à Paraty estão outras cidades e vilas incríveis, com cenários paradisíacos e opções de campings para quem quer se aventurar em uma viagem de ecoturismo.

A Praia do Sono, por exemplo, fica próxima à Vila de Trindade e conta com diversas opções de praias com águas cristalinas, trilhas e cachoeiras.

Outra opção para quem tiver um tempo a mais na cidade de Paraty e quiser explorar outros locais é o Pouso do Cajaíba, uma pequena vila de pescadores deserta, que ainda não é tão conhecida – justamente por isso, sua natureza é bem preservada e o destino é perfeito para quem procura por um passeio mais tranquilo, longe de qualquer tipo de agito.

A única maneira de chegar até Pouso do Cajaíba é de barco, levando em média 1h30 de viagem desde Paraty-Mirim.

Onde ficar em Paraty

Caso seja a sua primeira vez na cidade, o ideal seria se hospedar no Centro Histórico. Além da variedade de atrações, é por lá que os principais restaurantes, bares e lojas estão localizados, além da proximidade com o cais de Paraty, os supermercados e as agências de turismo.

Paraty conta com várias opções de hospedagens, para todos os gostos e bolsos! Tem hospedagem para quem gosta se aventurar em campings, se divertir em albergues, economizar em pousadas ou para quem prefere o conforto de um hotel mais luxuoso.

Por aqui, vou falar sobre as opções mais econômicas: No Booking é possível encontrar albergues com quartos compartilhados, localizados no centro, com avaliações muito boas, a partir de R$30 por pessoa/cama. Com os mesmos requisitos, uma diária em pousada pode ser encontrada a partir de R$120 por quarto.

E aí, sentiu vontade de visitar Paraty? Deixe o seu comentário se você conhece ou pretende conhecer essa cidade tão especial! Eu com certeza quero voltar!

Disney e Universal Studios: Conheça os melhores parques de Orlando

Descubra neste post quais são os melhores parques da Disney e também do complexo Universal Studios, incluindo as melhores atrações e o valor dos ingressos!

A cidade de Orlando, localizada na Flórida, é uma das mais cobiçadas pelos turistas do mundo todo. Não é pra menos: Ela conta com mais de 30 parques temáticos, incluindo a gigante Walt Disney World Resort. E com tantas opções de parque, você pode se perguntar quais são os mais essenciais para sua primeira viagem.

Vamos começar falando sobre a Disney de Orlando, o complexo de parques temáticos mais visitado do mundo, que conta com quatro parques.

Parques da Disney

Magic Kingdom

Magic Kingdom é o principal parque da Disney World. Foi o segundo parque da companhia inaugurado no mundo (depois da Disneyland, na Califórnia) e o primeiro parque do complexo Walt Disney World Resorts, em Orlando. É nele em que o Castelo da Cinderela está localizado, assim como os famosos shows e desfiles com os personagens principais dos filmes e desenhos.

Passear pela Magic Kingdom é como se sentir em um conto de fadas. De todos os parques, esse é o que mais possui aquele clima “mágico”, com atrações mais voltadas para crianças – não existem opções de brinquedos muito radicais. Portanto, diria que o Magic Kingdom é perfeito para crianças e pessoas apaixonadas pela Disney, mas pode não ser ideal para quem busca se aventurar muito.

Atrações da Disney Magic Kingdom

O parque é dividido em seis áreas temáticas:

.Main Street

É a “rua principal” da Magic Kingdom. Sua decoração foi inspirada em algumas cidades dos Estados Unidos e tem, ao longo do caminho, lojas, restaurantes e teatros.

.Adventureland

Adventureland é inspirada na selva e nas florestas pelo mundo afora. Suas principais atrações têm como tema os filmes e desenhos de Piratas do Caribe e Aladdin, e te fazem sentir – literalmente – dentro das histórias.

.Frontierland

Essa área do parque é inspirada no Velho Oeste. É por lá que está localizado um clássico da Disney, a Splash Mountain: um “barquinho” que passa por um cenário divertido, enquanto despenca em quedas d’água – umas mais altas que as outras. Outro clássico do parque é a Big Thunder Mountain, uma montanha-russa de nível leve, em estilo velho-oeste.

.Liberty Square

A Liberty Square tem como temática a Revolução Americana. Por lá, os personagens dos Muppets contam histórias sobre os Estados Unidos, enquanto a clássica Haunted Mansion oferece um passeio assustador (para as crianças, pelo menos), dentro de um carrinho que atravessa uma mansão mal-assombrada, cercada por fantasmas.

.Fantasyland

Essa é a área mais “conto de fadas” do parque. Suas atrações têm como tema as princesas da Disney, o universo de Mickey Mouse e desenhos como Dumbo e Peter Pan. O cartão postal da Fantasyland é o famoso Castelo da Cinderela.

Filmes em 3D, xícaras giratórias, carrossel, encontro especial com os personagens… Esses são os principais tipos de atrações da área – tudo com um toque de magia!

Até 2021 o Castelo da Cinderela deve ter esse visual | Créditos: http://www.viajandoparaorlando.com

.Tomorrowland

Créditos: https://www.parques-e-ingressos.com.br/

A Tomorrowland é uma área futurística, com decoração cheia de robôs, foguetes e galáxias. E falando em galáxias, a atração Buzz Lightyear’s Space Ranger Spin é um clássico que diverte tanto as crianças quanto os adultos.

E se tem um brinquedo mais radical na Disney Magic Kingdom, é a Space Mountain: Uma montanha-russa fechada, que oferece a experiência de viajar pelo espaço em uma velocidade de até 45 km/h, em uma altura de mais de 54 metros.

Magic Kingdom pode não ser o parque mais radical de todos, mas se essa é a sua primeira vez na Disney ou se você está com crianças, é um parque indispensável.

Epcot

Inaugurado em 1982 como o segundo parque do complexo Walt Disney World, Epcot faz uma homenagem à ciência e ao avanço da tecnologia. É um estilo de parque diferenciado, com atrações que permitem ao visitante conhecer diferentes países – e até o espaço sideral – em um dia só!

Spaceship Earth, cartão-postal do parque Epcot | Imagem de Stain_Marylight por Pixabay

Atrações da Disney Epcot

Com mais de 1 milhão de metros quadrados, Epcot é dividido em duas áreas:

.Future World

Essa é a área futurística do parque, formada por diferentes pavilhões que contam com exposições relacionadas à inovação e a evolução da tecnologia. Suas principais atrações proporcionam ao visitante experiências únicas, como entrar em uma missão espacial na Mission: SPACE, um simulador de última geração que te faz sentir que está literalmente viajando pelo espaço. Outro atrativo clássico se chama Soarin‘: Em uma simulação bem real, você sobrevoa de asa-delta a diferentes lugares do mundo, enquanto experimenta sensações como frio e o perfume de cada canto!

Soarin’ | Imagem: http://www.viajandoparaorlando.com

.World Showcase

A World Showcase é um espaço dedicado a explorar diferentes países pelo mundo. São onze pavilhões espalhados pelo parque, cada um representando um país diferente, sendo eles: México, Noruega, China, Alemanha, Itália, Estados Unidos, Japão, Marrocos, França, Reino Unido e Canadá.

Pavilhão do México

Você se sente, literalmente, dentro de diferentes países. E o mais incrível é que suas exposições passam uma imagem bem real dos locais, incluindo a cultura, culinária e arquitetura. Cada um dos países conta com exposições, lojas, restaurantes e atrações temáticas.

Passeio por uma lojinha no pavilhão de Marrocos

Com o passar dos anos, novas atrações foram inauguradas no parque, incluindo a Frozen Ever After, no pavilhão da Noruega.

Epcot não é um parque de brinquedos radicais. Suas atrações são mais “experimentais”, ou seja, passam para o visitante uma sensação real de estar em outros lugares do mundo. É uma experiência bem diferente, mas que vale a pena!

Disney Hollywood Studios

O nome original do terceiro parque da Disney era Disney-MGM Studios – sigla da Metro-Goldwyn-Mayer, produtora e distribuidora de filmes, que tem como logo aquele famoso leão rugindo.

Atrações da Disney Hollywood Studios

A Disney Hollywood Studios te faz sentir não só dentro dos filmes, mas também por trás dos bastidores. Além disso, o parque conta com atrações radicais, que podem atrair mais jovens e adultos.

Entre suas principais e mais clássicas atrações está The Twilight Zone Tower of Terror, um elevador fechado, que despenca várias vezes depois de realizar um mini passeio por uma torre mal assombrada. Se me perguntarem quais são as melhores atrações de todos os parques da Disney, essa com certeza estará na lista!

E falando sobre as melhores atrações da Disney, a clássica Rock’n Roller Coaster Starring Aerosmith é um dos melhores brinquedos de todos os tempos! Trata-se de uma montanha-russa fechada, que percorre ao som de Aerosmith, no escuro, atingindo uma velocidade de até 92 km/h.

E para quem gosta de atrações teatrais, a Disney Hollywood Studios tem muitas, incluindo superproduções sobre a Pequena Sereia, Bela e a Fera, Mickey Mouse, entre outros. Mas se você prefere algo mais emocionante, o espetáculo Indiana Jones Epic Stunt Spectacular! conta com dublês que revivem as aventuras do filme Indiana Jones ao vivo.

A Toy Story Land foi inaugurada em 2018 e é uma tentação para os fãs de Toy Story. O espaço é inspirado no quarto de Andy e passa a impressão de que você está participando das brincadeiras criadas pelo dono dos brinquedos. Entre atrações interativas e restaurantes temáticos, está a montanha-russa construída por Andy, a Slinky Dog Dash. Um sonho, né?

Slinky Dog Dash, na Toy Story Land | Foto: http://www.coisasdeorlando.com

E os fãs de Star Wars também vão amar visitar a Disney Hollywood Studios. É nesse parque que o espaço Star Wars: Galaxy’s Edge foi criado com paisagens, atrações e restaurantes totalmente inspirados na franquia.

Star Wars: Galaxy’s Edge | Foto: http://www.oglobo.globo.com

Com atrações para todas as idades, a Disney Hollywood Studios pode ser a melhor opção para quem procura uma grande variedade de atrações emocionantes e muita aventura!

4. Disney Animal Kingdom

O quarto parque da Disney World se chama Animal Kingdom e foi inaugurado em 1998. Considerado o segundo maior parque temático do mundo, Animal Kingdom foi projetado para homenagear os animais, buscando conscientizar as pessoas sobre a preservação da natureza.

Atrações da Disney Animal Kingdom

Dividido em seis áreas, o parque Animal Kingdom conta com paisagens incríveis, atrações de última geração e até um safári de verdade.

.Oasis

A área logo após a entrada do parque apresenta aos visitantes paisagens naturais, jardins e animais exóticos.

.Discovery Island

A Árvore da Vida (Tree of Life) fica localizada na área Discovery Island e é o cartão-postal da Disney Animal Kingdom. Com cerca de 45 metros de altura, seu tronco conta com diversos animais esculpidos. É realmente muito bonito.

Árvore da Vida | Foto: Wikipedia
Animais esculpidos ao redor do tronco da Árvore da Vida

.Pandora

O espaço Pandora, inaugurado em 2017, é totalmente inspirado no filme Avatar. Quem já assistiu o filme no cinema em 3D, deve imaginar como são as atrações da Disney, né? Quando conheci o parque essa atração ainda estava longe de ser inaugurada, mas imagino que seja uma coisa de outro mundo!

Uma das principais atrações da área se chama Flight of Passage: um simulador de vôo que leva o visitante a sobrevoar por Pandora.

Flight of Passage | Foto: http://www.veja.abril.com.br

Além disso, a área conta com restaurantes temáticos e outras atrações que fazem o visitante se sentir dentro de Avatar.

.Africa

Esse é o espaço onde o Safári da Disney Animal Kingdom está localizado, com leões, rinocerontes, girafas, elefantes e muitas outras espécies encontradas no continente africano.

E se você é fã de Rei Leão, com certeza vai se emocionar com a atração Festival of the Lion King: uma peça musical estilo Broadway, perfeita para crianças, jovens e adultos.

Festival of the Lion King | Créditos: wwww.tioorlando.com.br

.Asia

A área inspirada no continente asiático conta com a atração mais imperdível do parque e, talvez, uma das melhores da Disney! A Expedition Everest é uma montanha-russa inspirada na maior montanha do mundo em altitude, com design fiel ao lugar e muita adrenalina – entre elas, o Pé Grande, que aparece para destruir os trilhos quando você menos espera.

Expedition Mount Everest | Foto:www.disneyfanatic.com/

A área da Asia também conta com outras atrações para crianças e adultos, como o Kali River Rapids – um “rio bravo” – e shows do filme Up! Altas Aventuras.

.DinoLand U.S.A

Esta área do parque faz uma homagem aos dinossauros. Entre suas principais atrações está o musical do filme Procurando Nemo, a Finding Nemo – The Musical, e a DINOSAUR, um carrinho que passa por um cenário pré-histórico cercado por dinossauros, em meio a escuridão.

Quando o parque Animal Kingdom ainda não tinha as atrações do Avatar, poderia dizer que não é um dos mais essenciais da Disney – apesar de ser apaixonada pelo brinquedo do Monte Everest. Mas se você tiver condições, vale uma visita!

Ingressos para Disney: Quanto custa

De acordo com o site oficial da Disney, o ingresso para um dia de parque – a qual você escolhe qualquer um dos quatro citados acima – custa US$109 (adultos) e US$103 (crianças), o que, convertendo para o real brasileiro atualmente (maio/2020), fica em média R$630. Já na alta temporada, os valores costumam aumentar um pouco – cerca de US$20.

Por isso, se quiser economizar, escolher os quatro parques para a mesma viagem pode não ser a melhor opção – ainda mais porque existem outros dois parques imperdíveis em Orlando.

Parques da Universal Studios

Inaugurado em 1990, o complexo da Universal Studios foi inspirado no mundo da televisão e do cinema e é dividido em dois parques: A Universal Studios e a Islands Of Adventure.

O mais recomendável é que você visite um parque por dia, pois as atrações são diversas.

Atrações da Universal Studios

Ao chegar no parque, a sensação é a de que você está literalmente dentro de um set de gravação. Entre suas atrações, alguns personagens de sucesso do cinema são destaque: Marilyn Monroe, Betty Boop, Scooby-Doo e seus amigos, Shrek, Barney, Bob Esponja, os personagens dos Simpsons e muito mais.

Um dos brinquedos mais clássicos da Universal Studios é inspirado no filme “A Múmia” e se chama The Revenge of the Mummy. Trata-se de uma montanha-russa que passa por dentro de uma tumba, cercada por múmias e efeitos especiais, incluindo fumaça e fogo. Não é um brinquedo super radical, mas o cenário é incrível!

Para quem ama música e adrenalina, a montanha-russa Rip Ride Rockit permite que você escolha sua própria trilha sonora para ouvir durante o percurso, que chega até 105 km/h, com descidas bem ingrimes.

Créditos: http://www.orlandoinformer.com

The Simpsons Ride é outra atração imperdível. Este simulador se movimenta e despenca enquanto você se diverte junto com o Homer!

Entre diversas opções de simuladores, shows e montanhas-russas, na Universal Studios está o brinquedo E.T Adventure, inspirado no clássico filme lançado no Brasil em 1982 no Brasil. Você senta em um “carrinho-bicicleta” que decola e te fazer sobrevoar pela cidade rumo ao espaço, enquanto a trilha sonora do filme toca. É uma atração emocionante!

Atrações da Islands of Adventure

Esse é o parque perfeito para quem gosta de emoção e adrenalina. Ele conta com várias opções de montanhas-russas cheias de loopings – como a The Incredible Hulk Coaster – e simuladores em 3D, como The Amazing Adventures of Spiderman.

Uma atração imperdível da Islands of Adventure é o brinquedo inspirado no filme Jurassic Park. Através de um “barquinho”, o visitante tem acesso ao parque dos dinossauros, enquanto é cercado por diversas espécies. Entre paisagens incríveis e a emoção em ouvir a trilha sonora do filme, problemas começam, as luzes se apagam e você despenca em uma queda d’água, garantindo aquele frio na barriga que os fãs de adrenalina gostam.

Recentemente, o brinquedo passou por reformas e está ainda mais real: Ele inclui espécies marinhas de dinossauros que ficam dentro de um aquário gigante.

Créditos: https://www.ajanelalaranja.com/

E para os fãs de Harry Potter, é na Islands of Adventure que um espaço todo é inspirado na saga, incluindo um dos melhores brinquedos de todos os parques: Harry Potter and the Forbidden Journey, atração que simula um vôo sobre uma vassoura mágica, enquanto Harry te guia por Hogwarts. O diferencial é que o simulador se movimenta bastante, tornando a experiência ainda mais real!

Passear por Hogwarts, comer em restaurantes típicos do Reino Unido, experimentar a cerveja amanteigada e os feijões mágicos… The Wizarding World of Harry Potter é realmente incrível!

Ingressos para Universal Studios: Quanto custa

No site da Hotel Urbano você encontra várias opções de ingresso – tanto para um dia de parque, dois dias de parque ou um dia com os dois parques. O ingresso adulto com acesso a dois dias de parque, atualmente (maio/2020) está saindo por R$1.439 no site, cerca de US$244. Já o ingresso infantil, com acesso a dois dias de parque, sai por R$1.386, cerca de US$235.

Como podemos ver, o valor dos ingressos não é barato, principalmente quando o dólar está alto – no caso, agora (maio/2020) está altíssimo. Porém, três coisas podem deixar a sua viagem para os parques de Orlando mais acessível: Primeiro, tentar viajar durante a baixa temporada, quando tanto o valor dos ingressos para os parques quanto das passagens e hospedagens diminuem bastante. Segundo, escolher quais são seus parques favoritos – você não precisa necessariamente visitar todos na mesma viagem! E terceiro, é claro, esperar o dólar abaixar.

Os melhores parques da Disney e de Orlando

Orlando também conta com outros parques bem famosos, incluindo a SeaWorld. Porém, os mais conhecidos e visitados por turistas do mundo todo são os parques da Disney e da Universal Studios, dois complexos incríveis!

Escolher qual desses sete parques é realmente o melhor, depende da sua personalidade e do seu tipo de viagem. Mas, agora que você já sabe um pouco mais afundo sobre as atrações da Disney e da Universal Studios, pode selecionar a experiência que mais gosta!

Espero que esse post possa ajudar a realizar o seu sonho!

Top 5 viagens perto de SP para fazer depois da quarentena

Às vezes, tudo o que precisamos é fugir um pouco da rotina, relaxar e conhecer lugares novos. E agora, com tudo o que estamos passando, o mundo ainda pode demorar um pouco para voltar ao normal – isso inclui viagens internacionais, aglomerações em pontos turísticos e dólar mais acessível.

Mas enquanto as coisas não voltam a funcionar normalmente, você pode planejar suas próximas viagens nacionais, que podem estar mais próximas de acontecer do que você imagina!

Se você mora em São Paulo ou pretende visitar o Estado, saiba que, entre seus 600 municípios, existem destinos perfeitos para todos os estilos de viajantes.

Confira abaixo os 5 melhores lugares para conhecer em SP nos finais de semana depois da quarentena, incluindo o que fazer e como chegar aos destinos tanto de carro quanto de ônibus.

1 – ILHABELA

Em um cenário paradisíaco, Ilhabela é considerada um município-arquipélago marinho e fica localizada em São Sebastião, litoral Norte de São Paulo.

É conhecida não só pelas praias – que são lindas – mas também por estar totalmente rodeada pela natureza, incluindo ilhas e cachoeiras.

O que fazer em Ilhabela

A variedade de coisas para fazer em Ilhabela é grande. São 42 praias e mais de 360 cachoeiras, tornando a ilha um lugar perfeito para relaxar e ter contato profundo com a natureza.

O mergulho é uma das atividades mais realizadas pelos turistas. As praias do Bonete, Baía dos Castelhanos, Praia Grande e Praia da Feiticeira são algumas das mais conhecidas.

Apesar de não ser a mais recomendada para banho – devido a quantidade de pedras e barcos – a Praia do Saco da Capela é linda e também uma ótima opção para quem quiser se hospedar no centro da cidade, que é um charme a parte.

O Centro Histórico tem muito a oferecer: Sua principal rua, nomeada Rua do Meio, conta com diversas lojas de artesanato, restaurantes, bares e baladas. Inclusive, a vida noturna da ilha é bem conhecida e agitada!

Casa barco, uma construção incrível com vista para o mar

Como chegar

Para chegar até Ilhabela de São Paulo, é preciso passar pelas praias de São Sebastião e, de lá, pegar uma balsa.

Para viajar de ônibus, o trajeto é realizado pela Viação Litorânea, que sai do Terminal Rodoviário do Tietê. O ônibus desembarca em São Sebastião e, de lá, você deve pegar a balsa e fazer a travessia em pé.

A travessia dura em média 15 minutos. No total, o tempo médio de São Paulo até Ilhabela é de quatro horas e meia.

2 UBATUBA

As opções de praias em SP são muitas! E a mais ou menos 223 km de distância da capital está Ubatuba, localizada no litoral Norte.

A cidade tem como principais atrativos suas praias e ilhas paradisíacas, entre outras atividades para quem gosta de entrar em contato com a natureza.

Ubatuba conta com mais de 100 praias e elas são dividas em três regiões: Norte, Sul e Centro.

As praias da região Norte e Sul costumam ser mais desertas, ideais para quem prefere menos agito e mais natureza. Já as praias do Centro – como a Praia Grande – são as mais acessíveis e movimentadas.

Alguns lugares como a Praia das Sete Fontes e a Ilha das Couves fazem de Ubatuba um destino perfeito para quem busca conhecer praias paradisíacas.

No Centro de Ubatuba você também encontra atividades diferentes, caso esteja afim de variar um pouco os passeios.

Com lojas de roupas (caras!!!) e uma variedade de restaurantes, sorveterias e lanchonetes, é no centro que o Aquário de Ubatuba e o Projeto Tamar estão localizados.

Ambos os lugares foram projetados para conscientizar as pessoas, principalmente crianças, sobre a importância da preservação da vida marinha.

Como chegar

Ubatuba faz divisa com o norte da cidade de Paraty, no Rio de Janeiro.

O principal trajeto é através da Via Dutra ou Ayrton Senna (Carvalho Pinto) até São José dos Campos, seguindo pela Rodovia dos Tamoios até Caraguatatuba e depois pela Rodovia Rio – Santos, sentido Rio de Janeiro.

A segunda opção é pegar a Via Dutra ou Ayrton Senna (Carvalho Pinto) até Taubaté e seguir pela Rodovia Osvaldo Cruz até Ubatuba.

Para chegar até Ubatuba de ônibus, o trajeto é realizado pela Viação Litorânea (companhia da Viação Pássaro Marron) e sai do Terminal Rodoviário do Tietê.

O trajeto de São Paulo até Ubatuba leva em média 3 horas e meia, mas é uma viagem cansativa e em dias de trânsito pode demorar muito mais – mais que o dobro! Por isso, o ideal é evitar emendas de feriado e passar pelo menos três dias na cidade.

3THERMAS DOS LARANJAIS

Thermas dos Laranjais é um parque aquático localizado em Olímpia, a mais ou menos 436 km de São Paulo.

A cidade de Olímpia em si não tem muitos atrativos, mas é por lá que um dos parques aquáticos mais famosos da América Latina está localizado.

O que fazer

Com mais de 50 atrações, o parque Thermas dos Laranjais é gigante e possui, inclusive, atrações patenteadas – ou seja, são exclusivas!

Com uma área de 300.000 m² (sim, é bem grande), a maior parte das águas do parque são aquecidas, e os brinquedos bem variados. 

Se hospedar em um resort em Olímpia seria a melhor maneira de aproveitar o parque, mas também existem pousadas, hotéis e opções de Airbnb mais econômicos.

Em apenas um dia é impossível conhecer todas as atrações. Por isso, o ideal seria comprar o ingresso para, pelo menos, dois dias.

Além disso, nada melhor do que passar dois ou três dias hospedado a poucos minutos de um parque aquático, né?

Como chegar

Para chegar até Olímpia desde a capital paulista, o caminho é através da Rodovia dos Bandeirantes – que passa por alguns pedágios. Também é possível viajar de ônibus através da viação Danúbio Azul.

A viagem leva em média 5 horas e meia. O trajeto pode ser cansativo, então, é mais um motivo para você passar pelo menos dois ou três dias inteiros por lá.

4 – HOLAMBRA

Holambra é uma microrregião de Campinas, localizada a mais ou menos 130 km da capital de SP. Fundada por holandeses, a cidade passou a ficar cada vez mais conhecida por sua arquitetura diferenciada.

O que fazer

Holambra é uma cidade romântica, mas também vale a visita para quem só quer conhecer um pouco da cultura de um país bem diferente do nosso, a poucos quilômetros de São Paulo.

O Portal da Cidade, o Centro e o Moinho dos Povos Unidos são os principais atrativos do lugar. Não é à toa – são realmente lindos!

O centro da cidade conta com várias lojas de queijos, vinhos, temperos e doces exóticos, incluindo o sorvete de rosas.

As duas épocas em que Holambra mais recebe turistas é entre o início da primavera, em setembro, e próximo ao Natal, em dezembro.

Durante a primavera acontece a Expoflora, maior exposição de flores da América Latina. Já em dezembro, o espaço se transforma em uma exposição de Natal, com jardins iluminados, Casa do Papai Noel e até um parque de diversões.

Como chegar

Para chegar até Holambra é relativamente rápido: Pegando a Rodovia dos Bandeirantes ou a BR – 050, você chega na cidade em mais ou menos duas horas.

Para viajar de ônibus é um pouco mais complicado: É preciso pegar um ônibus no Terminal Rodoviário do Tietê até a rodoviária a estrada de Holambra em Campinas e, de lá, pegar outro ônibus ou um táxi até Holambra. A viação que realiza a viagem até Campinas se chama Viação Cometa.

5 – CAMPOS DO JORDÃO

Frio, fondue e chocolate quente. Isso define Campos do Jordão. A cidade é linda, charmosa e fica bem perto de São Paulo – cerca de 170 km de distância.

Localizada na Serra da Mantiqueira, sua arquitetura é inspirada nas construções suíças, tornando-se um destino bem diferente e romântico.

O inverno é a época em que a cidade mais recebe turistas, sendo que o frio pode ser extremo e a temperatura pode chegar a ser negativa durante a estação.

O que fazer

Existe uma variedade de atrações em Campos do Jordão. A Vila Capivari é o point da cidade e conta com diversos restaurantes, rodízios de fondue, lojas, fábricas de chocolate, docerias e baladas – inclusive, é um ótimo destino para fazer uma viagem com os amigos no inverno também!

Ainda na Vila Capivari, existe o Teleférico de Campos do Jordão, que dá acesso ao Morro do elefante: Mirante com vista panorâmica e um dos principais pontos turísticos da cidade.

O Trenzinho Turístico é uma maneira fácil de se locomover pela cidade e conhecer seus principais pontos turísticos.

Com opções diferentes de trajeto, ele pode passar pelo teleférico, pela Ducha de Prata (uma área com cachoeiras e lojinhas de artesanato), pelos bairros nobres, parques naturais e centros de lazer, como o Tarundu, um espaço com diversas atrações: Passeio a cavalo, tirolesa, paintball, patinação no gelo e muito mais.

Outra atração conhecida por suas belas paisagens é o Parque Amantikir, localizado a 5 km de distância da Vila Capivari.

Como chegar

Para chegar em Campos do Jordão de carro, o principal acesso é através da Rodovia Presidente Dutra, seguindo para a Rodovia Ayrton Senna (Carvalho Pinto) e passando por Taubaté. Campos do Jordão fica próxima à cidade de Santo Antônio do Pinhal.

De ônibus, o trajeto é realizado pela aviação Pássaro Marron, que sai do terminal rodoviário do Tietê.

O tempo médio de viagem é de duas horas e meia.

Planeje sua próxima viagem sem precisar ir muito longe!

Agora que você já sabe quais são os 5 melhores lugares em SP para fazer uma visita, planeje sua viagem com base em seus passeios favoritos, disponibilidade de tempo e, é claro, vamos aguardar a quarentena acabar para colocar tudo isso em prática. E você, já tem a sua cidade favorita perto de SP?